quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Fissuras no tempo


Tempo passado

Tenho na minha sala uma máquina de costura que era da minha avó Clotilde. É uma Singer daquelas que se coloca virada para baixo dentro de um móvel. Digamos que esse móvel não é excecional do ponto de vista estético. Mas acontece que quando o abro é uma máquina do tempo. Tem as caixas e caixinhas que a minha avó utilizava para guardar as coisas. Tem o tapete amarelo no pedal da máquina. Tem vários novelos de lã e de linha de diversas cores. E sobretudo, tem o cheiro que tinha na altura em que a minha avó a utilizava.

Tempo presente

O M. veio da escola na fase de fazer pulseiras com fios. É um repeat do que todos passamos aos 7 ou aos 9 anos. Pulseiras de várias cores, com os mais variados fios. Em pouco tempo apareceu-me com umas quatro pulseiras, todas diferentes. Pensei que tinha pedido fios às colegas, mas ali estavam os sacos da minha avó abertos, com novelos prontos a serem utilizados. Muito havia ela de ter gostado de ver.

Fissuras no tempo

Arrumei tudo, dentro da ordem que consegui, que normalmente é pouca (muito pouca). Mas quando voltei a entrar na sala estava um pequeno bilhete no chão. Contas de malhas, daquelas que a minha avó pousava no colo enquanto estava a tricotar serenamente, em silêncio. Foi como se estivesse ali, tivesse acabado de se levantar e a nota manuscrita lhe tivesse caído do colo.
Mais à frente, o novelo amarelo, pequeno, bem enroladinho.
A ordem, tudo o que não consigo na minha vida – caótica – e na minha casa – desorganizada. Que falta me faz a minha avó.

Passou tanto tempo

Tive uma filha. Chama-se Maria.
Foi há mais de um ano.
O Manuel está enorme. 9 anos. Não sabe que este blogue existe.
Todo o tempo é rápido a passar? Ou há casos em que não?

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Maturidade

Em conversa com uma amiga chegámos à conclusão que procurávamos coisas no nosso blogue. É uma espécie de arqueologia de nós próprias, acho... Já procurei citações de livros ou imagens. Tenho aqui um belo arquivo da infância do M. (o que provavelmente já não farei com a Maria).
Não sei o que será o futuro disto, mas faz-me falta escrever. e ainda mais falta me faz pensar.
Ando afastada de mim própria.
Por isso, faz para mim todo o sentido estas frases da Elena Ferrante em "História de quem vai e de quem fica". Como não as quero perder no arquivo do que sou voltei aqui.

"Dizia para comigo que a maturidade consisitia em aceitar o rumo que a vida tomara sem nos agitarmos muito, traçar um sulco entre a rotina diária e aquisições teóricas , aprendermos a olhar para nós e conhecermo-nos, enquanto esperamos por grandes mudanças."

e, no diálogo entre Nino e Pietro:

"Tens de dar mais tempo à tua mulher."
"Tem o dia inteiro à disposição."
"Não estou a brincar. Se não o fizeres, és culpado, não só no aspeto humano como no político."
"Qual seria o crime?"
"O desperdício de inteligência. Uma comunidade que acha natural sufocar com os cuidados dos filhos e da casa tanta energia intelectual de mulheres, é inimiga de si própria e não se apercebe disso."

( a imagem é da série que a HBO fez inspirada nos livros. Não tinha outra para por.)

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Os cantos da casa, os cantos da alma

Fui visitar os meus avós no domingo. O meu avô tem 85 anos e a minha avó 84. Todos os dias fazem uma (ou duas) caminhadas pela estrada que se prolonga para lá da aldeia.
Quando vou com eles fico cansada.
No lado direito da estrada há um eucaliptal. Costumo trazer eucalipto para secar ou só para enfeitar a casa.
Cheira bem e faz-me lembrar os passeios com os avós.
É só isto é, às vezes, isto é tudo.

"Temos o instinto dos pássaros"

"É um mundo estranho, o nosso. O mundo que os outros pressentem quando se perdem num bosque ou quando o vento que entra pela janela apaga a única vela acesa no quarto.
Tenho a impressão de que caminhamos o tempo todo, nos bosques, entre os juncos, à volta da casa. Os nossos vultos escuros, os olhos muito azuis, os passos pesados. É estranho, mas perdi a leveza.
As velhas árvores reflectem-se no lago. Os ramos queperderam as folhas desenham-se entre os fetos aquáticos, os corações flutuantes, a merecem da água. As folhas esvoaçam ànossa volta, arrastadas pelo vento, mas não nos tocam. Já nada nos pode tocar.
Temos o instinto dos pássaros que vigiam os lugares onde esperam encontrar uma pressa: o cimo das torres, às margens do lago, os recantos mais escondidos do jardim. Desenvolvemos mais do que nunca, o hábito de espreitar pelas janelas, de espreitar pelas portas entreabertas.
O hábito de viver nas escadas."
Ana Teresa Pereira, A Outra
Images da caps: April Love de Artur Hughes

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Verão 2014








É verdade, dois anos depois revelei as fotos da Diana que tinha tirado nas férias de 2014. È que entretanto a embaixada lomográfica de Lisboa fechou e não sabia muito bem onde as revelar até que uma amiga me falou na Print Factory  e fizeram um ótimo serviço.
è pena que a fotógrafa não corresponda... Nesse ano esqui-me de tirar a moldura de tirar em pequeno formato e fotografei em grande, apanhando a moldura a preto. Depois, como não fotografo muito, de uma ano para o outro esqueço-me dos erros que cometi e volto a fazer tudo igual.,.
Mas mesmo assim, vale a pena, eu até gosto das pequenas inperfeições e das coisas estarem meias desfocadas, acho que ficam mais parecidas com as imagens que a nossa memória vai retendo.
Não alterei mesmo nada nestas imagens, até a moldura ficou.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A bonita beldroega


Conheço as beldroegas desde os tempos de criança, quando ia ao Alentejo com os meus avós, mas em Lisboa era difícil encontrá-la se ainda hoje continuam a ser escassas. Provavelmente não eram "assunto" de sopa em todo o país. O meu sogro diz que nas beiras muito do que se comia no Alentejo era considerado ração para animais: é o caso das beldroegas e das bolotas.
Não é de estranhar, o baixo Alentejo é uma terra seca e tudo o que brote dela é quase um milagre e os alentejanos sabem aproveitá-lo bem. Em pequena comi sopa de beldroegas feita pela minha avó Maria (e continuo a comer os seus maravilhosos gaspachos e açordas); agora raramente a faço não só porque é difícil encontrá-las como também levam tempo a arranjar (o que é impeditivo para uma mãe que chega a casa depois das 19h). Mas o miúdo apaixonou-se pela sopa de beldroegas da minha sogra, que é igual à da minha avó, por isso estas férias voltei a fazer a sopa. Embora não tenha sido tão bem sucedida como as avós foram, deixo-vos a receita, para poderem experimentar.

Sopa de Beldroegas
Refoga-se uma cebola picada e um dente de alho, só até ficar dourado. 
Junta-se depois as folhas de beldroegas até amolecerem um pouco. Coloca-se água e uma ou duas batatas às rodelas de 1cm, deixa-se cozer. No fim põem-se os ovos a escalfar nesse caldo (tantos quantos os comensais).
Numa taça coloca-se pedaços de pão de dias anteriores e deita-se o caldo com todos os ingredientes por cima.
Espera-se um pouco e serve-se. 
A consistência deve ficar tipo açorda, por isso o caldo deve ser abundante.

Boa sorte e bom apetite.

(Por essa internet fora podem encontrar artigos sobre os inúmeros benefícios das beldroegas)